02/09/2012

Tela

“…gosto de desenhar no meu corpo a pura entrega de quem ama… gosto de desenhar na minha alma a luz dessa verdade… escrever com os meus olhos a leitura da saudade… garatujar nos sons as palavras sussurradas… saborear na boca, nos lábios a doçura do mel do teu beijo desenhado desejo de quem procura o abraço esperado… gosto de desenhar nos teus ouvidos as letras que formam os sentidos… desenhar, por fim, já por sobre o esboço da obra final de quem no auge do encontro sente-se sonho sabendo ser real… pairar na tela do teu corpo e desenhar as cores do amor que num todo se move completo no ser que temos por modelo… e sendo-o, tê-lo, possuí-lo e transformar a obra num plano final que dá ao desenho o toque especial como que uma assinatura sobre a obra acabada… depois, ficar a mirar tudo o que havia sido feito para ter ali, na minha frente, a concretização do sonho e saber que todas as palavras ditas ou as desenhadas ou as escritas houveram sido assimiladas, saboreadas e entendidas como brotadas de dentro do meu ser… gosto de desenhar sim, no teu corpo, o meu eu e no fim ao olhar a tela preenchida em ti soubesse ali ter tudo o que havias querido da presença do meu amor…”

4 comentários:

  1. Vi, li e GOSTEI!
    Parabéns, excelentes trabalhos!

    ResponderEliminar
  2. Gosto da ideia do amor como pintura em tela. No final, amar é mesmo isso. Desenhar no outro o que somos...E permitir que ele também desenhe um pouco de si mesmo em nós.
    Gostei muito da sua poesia.

    ResponderEliminar
  3. Uma excelente tela.
    Gostei muito.
    Caro amigo, tem um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderEliminar